Lazzaro Felice, dirigido por Alice Rohrwacher, disponibilizado pela Netflix em 30 de novembro

“Falando sobre a construção da sociedade humana a partir de uma narrativa envolvente e simples, provocando o espectador com supostas indefinições temporais, mas que se revelam argumentos concretos para seu posicionamento pessoal, Alice Rohrwacher fala duramente sobre o real com elementos que flertam com o fantasioso, conseguindo maior profundidade e beleza em seu memorável conto sobre as relações de poder. Um poderoso ensaio sobre a natureza humana e seu caráter imutável, cíclico e caótico, cuja estrutura imperativa pode ser facilmente abalada por um simples gesto de bondade, como prova em cada ação sua o feliz garoto Lazzaro.”
Por Rene Michel Vettori em crítica publicada em 1º de dezembro


Tinta Bruta, dirigido por Filipe Matzembacher e Marcio Reolon, lançado em 6 de dezembro

“Por fim, o fim. Não satisfeito por ter acertado em todos os quesitos, a última imagem de Tinta Bruta é poesia visual pura. Não vou dar spoiler dela, mas que coisa linda de se ver (alguém faça um gif, please). Não dou spoiler, mas deixo uns versos de Ana Cristina Cesar que evocam a força dessa última imagem: ‘Agora, imediatamente, é aqui que começa o primeiro sinal do peso do corpo que sobe. Aqui troco de mão e começo a ordenar o caos.'”
Por Marco Medeiros em crítica publicada em 5 de dezembro

Sugestões para você: