A Vida Invisível, dirigido por Karim Aïnouz, lançado em 21 de novembro

“Mas é na entrega de suas atrizes principais que a vida se torna mais que visível. Carol Duarte e Julia Stockler são duas atrizes completamente lançadas no poço profundo de suas personagens. Duas atuações grandiosas, adjetivo que se espraia em vários aspectos de seus trabalhos, poderosas. Duarte traz para Eurídice uma força que se instala nos olhos. Suas cenas tocando piano, nas quais a música atua como resistência catártica aos abusos de mais variadas formas, hão de entrar na memória do cinema nacional. A Guida de Stockler constrói um olhar que, ao longo dos anos e dores, vai cedendo o espaço do fogo apaixonado do início para uma força triste de quem é, acima de tudo, uma sobrevivente. Aliás, o trabalho das duas torna acertada a escolha da produção em substituir o título original do romance e pelo qual o filme chegou a ser referido por um tempo, “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão”, pelo nome pelo qual ele é atualmente chamado.”
Por Marco Medeiros em crítica publicada em 24 de novembro


História de um Casamento (Marriage Story), dirigido por Noah Baumbach, original Netflix disponibilizado em 6 de dezembro

“Ao fim de História de um Casamento o que fica é a certeza de que vimos uma obra-prima e uma tristezinha doída e gostosa que machuca o nosso coração, mas que também consola por mostrar como os nossos afetos e, acima de tudo, os nossos amores nos engrandecem.”
Por Marco Medeiros em crítica publicada em 8 de dezembro

Sugestões para você: