The only people for me are the mad ones, the ones who are mad to live, mad to talk, mad to be saved...the ones who never yawn or say a commonplace thing, but burn, burn, burn, like fabulous yellow roman candles exploding like spiders across the stars. - Jack Kerouac

Crítica: A Esposa (The Wife)

Ainda que de maneira desconfiada, inclino-me à seguinte citação de Simone de Beauvoir: “Não são as pessoas que são responsáveis pelo fracasso do casamento, é a própria instituição que é pervertida desde a origem.” Respire. Não estou aqui pra atacar casais por aí, muito…

Crítica: Lemony Snicket – Desventuras em Série – 3ª temporada

Faz 13 anos que li Desventuras em Série pela primeira vez e quase que precisamente que o último livro da saga foi lançado – isso aconteceu em dezembro de 2006 aqui no Brasil. Portanto, consigo com clareza me lembrar do presente do meu 10º…

Crítica: Black Mirror – Bandersnatch

Coloco Mozart, por acreditar que escrever é tocar piano em teclas de um instrumento outro. Concomitantemente, tomo uma taça de vinho enquanto tento pensar em um jeito de descrever Bandersnatch sem exageros, sem estragar surpresas e também sem deixar a desejar. Desafiador, confesso. Não…

Crítica: Derry Girls – 1ª Temporada

Em meio ao nostálgico momento que agora vivo, onde relembro a viagem que fiz há exato um ano para a Inglaterra e sinto falta do frio de cortar a pele, a série Derry cai como uma luva. A explicação é simples: apesar de não…

Crítica: Colette

Quando eu era mais jovem (sim, mais ainda, quero dizer) minha grande aspiração era ser uma escritora. Eu não fazia ideia de nada da minha vida profissional – mudei de escolhas na faculdade cinco vezes antes de me matricular e, ainda assim, atuo em…

Crítica: Fugitiva – 1ª Temporada

É com a maravilhosa canção interpretada pela rainha Elza Soares, que arrisco dizer ser a cantora e mulher brasileira mais fantástica ainda viva, que inicio a crítica de Fugitiva. Lançada alguns dias antes do Dia Internacional pela Eliminação da Violência de Gênero, a série…