Thomaz corre atrás de animais. Única rima que conseguia fazer com seu nome de nascença. Por isso, numa metamorfose culé e romanista, Thotti nasceu. Discípulo de Bakunin que flerta com Nietzsche. Cinéfilo iniciado por Kubrick, porém jamais tirou o Tarkovsky da cabeça. Única certeza: morrerá no Hyrule Field na companhia de seu golden, Link. Isso porque o suborna com delicadas coçadas na orelha. Vivendo por bacon, Maiden, prosa barata e poesia suja. Thotti por Thotti: Caçador de carneiros.

Crítica: Imagem e Palavra (Le livre d’image)

Godard está para o Cinema como São Mateus está para o Cristianismo. É um autor sacro. Um evangelista. Ele iluminou toda uma geração em brasas numa ebulição corrosiva e saltitante. A Nouvelle Vague era o auge da pretensiosidade artística, de uma ambição sincera e…

Crítica: No Portal da Eternidade (At Eternity’s Gate)

Vincent Van Gogh é um dos maiores baluartes da História da Arte. Com suas pinceladas, o holandês manufaturou o pós-impressionismo de maneira alucinante e sedutora. Todavia o apelo popular de Van Gogh não vem apenas de seus inebriantes girassóis e lúdicas noites de estrelas,…

Crítica: Guerra Fria (Zimna wojna)

“Os verdadeiros paraísos são os paraísos que perdemos.” Marcel Proust na última parte do maior arranha céu da história da literatura, proclama essa frase, síntese de toda sua obra, todavia acima de tudo entranha viva do pensamento. Pensar é atingir os lugares privilegiados do…

Crítica: Assunto de Família (Manbiki Kazoku)

Com nome de programa de TV aberta e cercado pelo burburinho inato da palma de ouro de Cannes, Assunto de Família consegue aglutinar, com suma maestria, o melhor dos dois mundos em sua primazia técnica e sua intimidade mortífera. Hirozaku Koreeda, acompanhado de um…

Crítica: A Casa Que Jack Construiu (The House That Jack Built)

“Tigre, tigre que flamejas Nas florestas da noite. Que mão que olho imortal Se atreveu a plasmar tua terrível simetria?” -O Tigre, William Blake Na saída da exibição de A Casa Que Jack Construiu, um companheiro de cabelos brancos, esses que se encontra em…

Crítica: A Balada de Buster Scruggs (The Ballad of Buster Scruggs)

O velho oeste americano foi emoldurado no imaginário coletivo num espaço portentoso e quentinho, repleto de afagos e carinhos manufaturados na forma de obras primas. O western deixou faz muito de ser um particular olhar da última fronteira do Tio Sam para se converter…