Autor do bestseller que ninguém leu.

Crítica: Mundo em Caos (Chaos Walking)

Depois de aproximadamente um ano e quatro meses sem adentrar uma sala de cinema, acabei sucumbindo ao deleite cinéfilo, mesmo sem enxergar a esperada luz no fim do túnel desta pandemia insolente, e compareci à cabine de imprensa do tal Mundo em Caos, título…

Crítica: Pelé

Há mais de sessenta anos considerado o maior jogador de futebol de todos os tempos, é provável que Pelé possua um status simbólico insuperável, como não hesitava em declarar o meu saudoso vô. Nascido no ano de 1940, Edson Arantes do Nascimento desenvolveu a…

Crítica: Doutor Castor

Seja lá qual for a atividade ilícita, o crime organizado tende a manter uma metodologia de centralização das principais decisões, de ramificação nas cadeias de comando e divisão hierárquica capaz de montar um quadro social que dê estrutura paras as ações, muitas vezes sustentadas…

Crítica: A Voz Suprema do Blues (Ma Rainey’s Black Bottom)

A Netflix acaba de incluir em seu catálogo o interessante A Voz Suprema do Blues, um filme que se prende a uma linguagem de teatro, mas não tem o seu ritmo comprometido, muito por conta da potência dos monólogos. Essa é uma daquelas obras…

Crítica: Teocracia em Vertigem

Embora muita gente não deva se lembrar, há mais ou menos um ano, a sede da produtora Porta dos Fundos foi alvejada com coquetéis molotov, depois que supostos grupos cristãos se indignaram com o especial de Natal então intitulado “A Primeira Tentação de Cristo”,…

Crítica: Cadáver (Kadaver)

Se você ainda não esbarrou com a primeira obra norueguesa original Netflix, eu vou fazer o favor de não te segurar até o final desta crítica para dizer o que realmente interessa: Cadáver, do diretor novinho Jarand Herdal, tinha tudo para ser um filmaço…