José Guilherme Vereza é redator de propaganda, diretor de criação, roteirista, escritor de quatro livros ficcionais publicados, professor universitário e metido a cozinhar aos domingos. Gosta de futebol e cinema. Embora graduado em Comunicação, se entrega a filmes como um mero espectador, deixando a obra entrar pelos seus poros, veias e retinas. Estes são os seus termômetros mais precisos para sentir o que viu. Depois, até lê críticas e resenhas para ver se conferem com seus sentimentos. Vive repetindo um pensamento de Gilberto Gil: “tão importante quanto o talento para fazer música é o talento para apreciar música”. ZéGui se considera um simples apreciador do que passa nas telas. É feliz assim.

Nostalgia: Feitiço do Tempo (Groundhog Day)

Acordo antes de o sol raiar. Tomo café pingado, iogurte com granola, uma fatia de queijo minas, metade de um mamão. Segue meia hora de detestável malhação caseira. Logo depois, barba, banho, bermuda, camiseta. De frente para o notebook, começo a trabalhar. Não sei…

Assista!: A Escolha de Sofia (Sophie’s Choice), um ensaio

“A melhor razão pra você respeitar rigorosa e sensatamente o distanciamento social é não me colocar a mim, médico, no desagradável papel de ter que escolher se conecto o último respirador disponível à sua mãe ou ao seu vizinho. Se precisar escolher, eu sei…

Nostalgia: A Noite dos Desesperados (They Shoot Horses, Don’t They?)

Quarentena, isolamento social, confinamento. Seja lá que nome tenha, há que se respeitar o recado da ciência. É duro, mas pode ser proveitoso ou mais que isso: segundo o sociólogo francês Michel Maffesoli, “a pandemia marca o fim do modelo da sociedade moderna e…

Nostalgia: Amor, Sublime Amor (West Side Story)

Não me pergunte por quê, mas ando obcecado por musicais. Os que me conhecem sabem os motivos. Aos que não frequentam meus arredores reais e virtuais, prometo poupá-los dos meus imodestos lero-leros. Aliás, chega de lero-lero. Musicais sempre me atraíram, tanto no teatro quanto…

Assista!: O Segredo dos Seus Olhos (El Secreto de sus Ojos)

Eram quase sete da noite do dia 23 de novembro de 2019. Estava sentado no sofá diante da televisão, olhei para o lado e vi um homem desapontado, triste, abatido. Eu sei quem ele é. Um setentão bem vivido, disciplinado, correto, em dia com…

Crítica: O Irlandês (The Irishman)

Imagine uma banda com Paul MacCartney, Jimmy Hendrix e Jimmy Page. Ou John Lennon, Bob Dylan e Cole Porter criando letras em trio. Ou uma canção de Chico, Caetano e Gil. Ou Tom Jobim, Ira Gershwin e Leonard Bernstein compondo uma mesma sinfonia. Vamos…