The only people for me are the mad ones, the ones who are mad to live, mad to talk, mad to be saved...the ones who never yawn or say a commonplace thing, but burn, burn, burn, like fabulous yellow roman candles exploding like spiders across the stars. - Jack Kerouac

Crítica: Wanderlust – 1ª Temporada

Relacionamento aberto é um conceito que ainda recebe muitas críticas e olhares tortos – e não serei hipócrita: também me causa estranheza. A ideia de partilhar uma pessoa com outras é inusitada em nossa sociedade ocidental, secularmente monogâmica, então é natural que grande parte…

Crítica: Feministas – O Que Elas Estavam Pensando? (Feminists – What Were They Thinking?)

O pessoal é político. O pessoal é político. O pessoal é político. Tal qual um mantra, a frase popularizada por Carol Hanisch, ativista feminista radical da década de 70, ecoa durante os 86 minutos do documentário Feministas – O Que Elas Estavam Pensando. Seu sentido…

Crítica: Elite – 1a Temporada

Em meados de 2005 lá estava eu, vivendo minha primeira década de vida, levando o primeiro fora e assumidamente fã de RBD – uma verdadeira FEBRE entre os adolescentes e aspirantes à puberdade. Praticamente toda minha memória dessa época é afetivamente contaminada com a…

Crítica: O Que de Verdade Importa (The Healer)

O Que de Verdade Importa chama atenção por seu diferencial no que diz respeito à grana da bilheteria: toda ela é direcionada à instituições beneficentes que tratem o câncer. Reconhecido e validado isto, separemos a importante iniciativa da obra cinematográfica em, que é o…

Crítica: Felicidade por um Fio (Nappily Ever After)

“I like my baby hair with baby hair and afros”. Iniciando a crítica com um trecho de Senhora Beyoncé, dou o tom ao que será uma análise de uma despretensiosa comédia romântica que pincela questões do corpo negro, sem deixar a essência leve e…

Crítica: Buscando… (Searching)

“Every Breath You Take” é uma das músicas mais mal-interpretadas da história do rock, além de fazer parte dos hits clássicos dos anos 80. Tomada por uma canção de amor na sociedade doente em que vivemos que romantiza ciúme e possessão, é na verdade…