Sabe quando você tá com a família, sentadinho em um sofá, procurando um filme pra assistir e, de repente, sua mãe ou pai diz “caraaaaaaaaca esse filme é um clássico da minha infância/adolescência”? A nostalgia imediatamente atinge seus corações e faz com que lembrem de uma época em que fazer cinema era muito mais complicado. Dito isso, viaje pelo túnel do tempo e relembre estes Filmes que Marcam Época.

O spin-off de “Brinquedos que Marcam Época” conta com o mesmo narrador, Donald Ian Black, e a maneira bem-humorada de conduzir entrevistas e simulações de eventos. Nessa temporada de estreia, cada episódio foca num clássico diferente das décadas de 80 e 90, sendo eles: “Dirty Dancing”; “Esqueceram de Mim”; “Caça-Fantasmas” e “Duro de Matar“. Superficialmente, são todos até parecidos (se não considerarmos seus gênero completamente diferentes), afinal, todos foram sucesso de bilheteria e o legado deles continua de diversas maneiras, seja por brinquedos, homenagens ou sequências menos bem-sucedidas que os originais. De qualquer forma, esses quatro episódios de 45 a 50 minutos são bem aproveitados pela dinâmica em que os fatos são apresentados e não há exageros no humor que os conduz.

Apesar de parecer extremamente fútil, meu único incômodo com a série é a quantidade de episódios. Entendo porque são poucos, já que a de brinquedos também só tem apenas quatro e como inúmeros filmes marcaram os respectivos períodos abordados, seriam necessárias muitas temporadas para discutir ícones apenas daquela época. A escolha dos clássicos não decepciona nem um pouco, porém, não agradou a todo mundo. Alguns dizem que os filmes “não são tão memoráveis”. Calma lá! O que seria de “Dirty Dancing” sem Jennifer Grey e Patrick Swayze na famosa dança final? “Esqueceram de Mim” sem a colaboração de Chris Columbus e John Hughes? “Caça-Fantasmas” sem o roteiro de Dan Aykroyd e Harold Ramis? Ou se Bruce Willis não tivesse estrelado “Duro de Matar”? A presença desses e outros incontáveis fatores fez com que estas produções fossem tão lembradas quanto são, mesmo passados 30 e poucos anos. Se também não entende ou discorda do clamor que tais longas receberam, ou você estava de mau humor quando os assistiu ou não viveu durante a Geração X (como eu, apesar de concordar que são todos clássicos).

Não há uma ordem específica para assistir aos episódios. Isso fica a seu critério, mas recomendo que, caso assista sozinho primeiro, reveja com sua família para promover tanto um choque de gerações como uma reunião bastante. Aliás, como o clima natalino já está dominando, nada melhor que esse incrível throwback, né?

Sugestões para você: