Uma vez discutindo sobre uma péssima produção de um filme de terror genérico, surgiu o argumento que a qualidade do longa é mais ou menos proporcional ao tamanho da verba para realizá-lo. Eu não comprei a ideia, mas entendi a argumentação. O caso em questão – e que fez da película penosa até a alma de assistir – apresentava efeitos visuais datados e que te roubavam qualquer possibilidade de imersão. Caso tivesse mais dinheiro investido, talvez o longa funcionasse melhor nos seus momentos derradeiros. Embora seja um ponto válido, o que realmente você está vendo ali já é reflexo de um problema anterior: a ambição de fazer algo maior do que a verba que você tem. Os melhores filmes de terror não se fizeram, salvo algumas exceções, com grandes orçamentos, mas com originalidade, a competência de um bom roteiro e a criação de um ambiente crível que instigue um medo primário e irracional no telespectador. Tanto isso é verdade que o maior sucesso da história de bilheteria dos cinemas é o “Atividade Paranormal“, que fez quase 200 milhões de dólares com um orçamento de 15 mil.

Na categoria de filmes de terror genéricos, com roteiros ruins, sem ambientação e ambiciosos para o orçamento que tem, Medo Viral é mais um dentre muitos que faz questão de engrossar essa lista. Em resumo – e eu estou fazendo uma sinopse honesta – uma entidade maligna consegue invadir um aplicativo para smartphones, que aparentemente foi criado por ela, e passa a funcionar como uma inteligência artificial controlando tudo ao seu redor e, com acesso aos seus dados pessoais, passa a te conhecer melhor, em especial seus medos (que são usados contra você). Quando uma pessoa morre decorrente do contato com essa assombração, o aplicativo é enviado para seus contatos. É essencialmente uma mistura de “Uma Chamada Perdida” com “It: A Coisa” (com Crítica de 2017, Nostalgia de 1990, RPR dos dois e Top 10 filmes de terror).

Confesso que é um trabalho difícil vincular tecnologia com assombração e a maioria dos longas costuma falhar nessa tarefa depois do início da era digital. Basta ver a última entrada de “Poltergeist” e “O Chamado“. A era da informação e trocas instantâneas de mensagens, embora aliene bastante o ser humano, não cria um ambiente muito crível e envolvente para falar de entidades demoníacas que são tão antigas quanto o tempo. O filme ainda faz um desfavor ao colocar o aplicativo tão avançado tecnologicamente que seria algo que qualquer pessoas com um smartphone gostaria de ter (pelo menos até a hora que ele começa a tentar te matar), mas que não viraliza, e cria um canal entre você e a entidade que não se sustenta. Na maior parte do longa, o celular existe apenas para coletar informação do usuário – fazendo uma alegoria sobre privacidade na internet e exposição de informações pessoais -, mas não se mostra necessário para que a presença demoníaca se manifeste fisicamente na forma dos integrantes da banda Slipknot, com máscaras e maquiagens horríveis. O conceito de algo tão vital para as nossas vidas ser a fonte do mal é até interessante do ponto de vista social, mas faltou refino no seu desenvolvimento.

Medo Viral é tão pobre na sua ambientação que, mesmo quando consegue fazer algo levemente envolvente (como na imagem abaixo), fraqueja e logo se vale de jump scares, não dando tempo para criar qualquer tensão. E esse é o maior problema da obra, tentar se valer desesperadamente de clichês, deixando a impressão que Abel Vang e Burlee Vang estavam com um checklist de elementos “obrigatórios” do gênero. É uma pena que um conceito interessante possa ser tão mal apresentado.

Vamos lá. Atuações de adolescentes em um mistério nada crível, check. Ambientação falha, check. Filme genérico, check.

Sugestões para você: