A NETFLIX chega a sua 10a temporada no seu universo Marvel com a continuação das aventuras de Danny Rand (Finn Jones). E vamos ser honestos? Das 10 temporadas lançadas até o momento, as 2 piores são as 2 do Punho de Ferro e isso é algo a ser visto com preocupação não somente por causa do desenvolvimento do personagem, mas do universo como um todo, que já vem apresentando sinais de cansaço.

Olhando mais atentamente, a NETFLIX apresentou duas temporadas realmente boas. As 2 do “Demolidor“, a do “O Justiceiro” e a dos “Os Defensores” têm estruturas interessantes, pecando em algum ponto ou outro, as 2 temporadas de “Luke Cage” oscilam entre bons momentos e fillers intermináveis, assim como as 2 temporadas de “Jessica Jones“, que se sustenta mais por seus vilões do que pela heroína em si. Já o Punho de Ferro é nitidamente a pior das 6. O que faz desse personagem icônico dos quadrinhos quase um coadjuvante nesse universo?

Mesmo não pesando muito, dos 4 Defensores ele foi apresentado por último, então já havia a consolidação de um universo e um patamar a ser atingido, que, diga-se de passagem, era razoavelmente alto devido às duas temporadas do Demolidor, que contou com a participação fantástica do Justiceiro, e a apresentação de Luke, Jessica e o melhor vilão até aquele momento,  Kilgrave. De todos os personagens desse universo, ele é o mais místico e mais difícil de ser vendido e, mesmo com essa tarefa árdua, a 1a temporada do Punho de Ferro foi liberada, de forma incompreensível, com problemas de produção que vieram à tona posteriormente, mas que eram perceptíveis nas coreografias de peça do ensino fundamental, atuações nada críveis e roteiro confuso. O estrago estava feito.

Para piorar o cenário, o personagem é central – junto com o Demolidor – para entendermos o todo do universo Marvel NETFLIX, peso esse que o Luke a Jessica não carregam, podendo enveredar por suas pautas progressistas e sendo “descartáveis” no contexto geral. Sem ter para onde correr quanto a isso, Punho de Ferro me faz passar por uma verdadeira provação em sua 1a temporada para eu conseguir chegar na estreia de “Os Defensores” capaz de entender a trama. Tanto na reunião do quarteto em sua estreia, como na sua aparição na 2a temporada de “Luke Cage”, Danny continua sendo um personagem intragável.

Já na sua 2a temporada, temos algumas melhoras consideráveis. Em 1o lugar foi a redução de 13 para 10 episódios – e que isso sirva para todas as séries da Marvel! – nos salvando 3h de fillers. Em 2o lugar foi a trama central que está bem arrumadinha, embora vários personagens que orbitam a história sejam insuportáveis. E, por fim, a produção que melhorou consideravelmente, com cenas de luta bem coreografadas de brutalidade chocante.

Nessa trama central temos Davos (Sacha Dhawan), companheiro e adversário de Danny para ser o Imortal Punho de Ferro, e a sua coligação com Joy Meachum (Jessica Stroup), irmã de criação de Danny e consanguíneo de Ward (Tom Pelphrey) – trio que comanda a milionária Empresa Rand -, com objetivos escusos. Ambos estão muito ressentidos por motivos diferentes com nosso protagonista e juntos buscam meios de levar Danny ao fundo do poço. Para tanto, peças nesse tabuleiro precisam ser posicionadas e, para atingir esse objetivo, temos como pano de fundo a guerra entre as tríades dos Carrascos e Tigres Dourados em Chinatown, com disputas territoriais e de egos interessantes.

Davos é o personagem mais cativante de acompanhar, despirocando loucamente motivado por seus ideais e, confesso, é fácil simpatizar com sua causa quando temos do outro lado um Danny, que até evoluiu como personagem passando a ser menos ingênuo e mais realista, mas que ainda apresenta um senso de justiça nada compatível com suas experiências e necessidade do mundo a sua volta. Outros personagens mostraram evolução, como a namorada de Danny, Colleen (Jessica Henwick), que passa a questionar suas decisões pós-Tentáculo, e Misty Knight (Simone Missick), que veio retribuir a visita que o Punho de Ferro fez em “Luke Cage” numa participação que agregou bastante e uniu um pouco mais as duas franquias.

Mas, meu amigo, o que é Mary Walker (Alice Eve)? Ela consegue ser o pior personagem, com a pior atuação, de toda a franquia Marvel nos cinemas e séries. Infelizmente eu não entrarei em detalhes da trama envolvendo seu personagem, já que ela tem papel importante, mas a cada aparição sua meus olhos sangravam. Foi ofensivo o caminho que o roteiro escolheu para abordar certos aspectos de sua persona (e da trama), e sua atuação, com expressões, olhares perdidos e entonação da voz, beirando o amadorismo.

E vem cá… por que todos os bandidos usam armas de fogo quando lutam contra o Luke Cage, mas quando é contra o Punho de Ferro só usam armas brancas? Hummm.

Em suma, apesar de alguns pontos positivos, Punho de Ferro deixa a desejar, mesmo ainda retendo muita importância para a trama central e sendo obrigatório para entender esse universo. Será que é possível, depois de uma temporada muito ruim e outra cambaleante, um resgate do personagem? Vamos torcer para que a franquia siga o exemplo de “Thor” – que também era uma merda retumbante até sua 2a entrada – e apresente uma 3a temporada digna do punho de vaga-lume.

Sugestões para você: