A Grande Maçã, a cidade que nunca dorme, capital do mundo e onde sonhos se realizam. Nova York é uma das cidades mais conhecidas do mundo e cenário de incontáveis filmes de Woody Allen. O cineasta famoso por sua marca registrada em comédias românticas lançou seu mais recente longa, sem lançamento nos Estados Unidos por motivos bastante polêmicos. Mesmo com tais motivos, não houve mais nada que me impedisse de adorar Um Dia de Chuva em Nova York.

O filme acompanha Gatsby (Timothée Chalamet) e Ashleigh (Elle Fanning), um casal de universitários que decidiu passar um fim de semana em Nova York. Aproveitando que Ashleigh irá a trabalho, Gatsby planeja uma programação super-humilde (só que não) para ambos, mas uma série de circunstâncias, incluindo a chuva do título, impede que o planejamento se “concretize”. Outros rostos conhecidos esbarram nos jovens e características clássicas de produções do aclamado diretor e roteirista tornaram este filme um dos meus favoritos de Allen e fizeram-me questionar ainda mais como que, apesar do talento, ele ainda tem uma carreira.

Antes de listar os vários aspectos positivos da produção, gostaria de explicar toda a controvérsia por trás dessa estreia. Woody Allen é conhecido pelo estilo característico de seus trabalhos, e o grau de talento e genialidade é tão elevado quanto o de sua mente pervertida. Além de ter se casado com a própria filha, Soon-Yi Previn, foi acusado de ter molestado sua outra filha, Dylan Farrow, quando a moça tinha apenas 7 anos. Mais de 20 anos depois, nascem os movimentos Time’s Up e Me Too e o apoio à Dylan cresce rapidamente. O que acontece com Allen? Várias atrizes que participaram de seus projetos disseram se arrepender e que nunca mais participariam de outro trabalho do diretor, além da Amazon Studios ter rompido um contrato de 68 milhões e alguns projetos a mais com o cara. Então, se este for seu último filme, que encerramento!

Indo direto para os pontos positivos, é fácil que o elenco não decepciona. Timothée Chalamet comprova ser um dos maiores nomes da sua geração, ter uma versatilidade impressionante e entrega mais uma ótima atuação, além de mostrar porque todo mundo é apaixonado por ele, o que me obriga a dizer “tira o olho, Marco”. Se me dissessem, meses atrás, que algumas das cenas mais engraçadas do filme seriam conduzidas por Elle Fanning eu não acreditaria, mas sério, ela é hilária! Chorei de rir em boa parte de suas cenas e não esperava que tivesse um timing cômico tão bom. A verdadeira surpresa, ao meu ver, foi ver Selena Gomez atuando depois de anos sem vê-la nas telonas, e que retorno excelente esse. Assim como Zendaya mostrou seu inacreditável talento em “Euphoria” e que é muito mais que uma cantora/ex-estrela da Disney, Selena fez o mesmo ao interpretar Chan Tyrell, velha conhecida de Gatsby. O elenco coadjuvante é liderado por Liev Schreiber, Jude Law e Diego Luna, cada um com sua vez de brilhar, particularmente Law ao fazer uma espécie de paródia do próprio Woody Allen. Falando no tal, seu roteiro muito bem construído conta com diálogos engraçadíssimos e referências a filmes sem forçar a barra, o que me agradou bastante. Além disso, é incrível como ele faz a elite “sofrendo” e reclamando dos seus “problemas” parecer algo totalmente normal.

Escrevo esse texto em meio ao clima nublado da cidade maravilhosa e, por algum motivo, acho que combina com a atmosfera do filme. Um Dia de Chuva em Nova York completa a minha lista de top 5 filmes do Woody Allen (junto de “Meia-Noite em Paris”, “Annie Hall”, “Vicky Cristina Barcelona” e “Blue Jasmine”) e posso garantir que não é um típico trabalho do diretor, muito menos uma comédia romântica clichê. Triste que nem todo mundo poderá apreciar… Mesmo assim, se você procura um filme leve, engraçado e com a prova de que chuvas são românticas, vá em frente e aproveite esse dia “sei-lá-o-que” onde você estiver.

Sugestões para você: