Velvet Buzzsaw, dirigido por Dan Gilroy, original Netflix disponibilizado em 1º de fevereiro

“Do cinismo daqueles que consomem Arte – talvez em um atitude vã de parecer inteligente – à lógica mercadológica imposta pelo mundo de hoje, Velvet Buzzsaw escancara sua crítica sincera apontando dedos, identificando agentes e tentando acordar artistas, dando um forte tapa na cara na medida em que relembra que Arte é a expressão pessoal e não algo feito deliberadamente para a adoração de outrem, para enriquecimento de terceiros ou ainda para lisonjas de estranhos que se assumem maiores que o próprio ato criativo e sacrificante comum a todo e qualquer autor.”
Por Rene Michel Vettori em crítica publicada em 2 de fevereiro


F1: Dirigir para Viver (Formula 1: Drive to Survive), minissérie em 10 episódios, original Netflix disponibilizado em 7 de março

“Cada episódio é conduzido por uma dualidade. Começamos com a perspectiva entre uma equipe grande e consagrada e outra pequena e sem muitas pretensões, e seguimos dentro do esperado (e sabido) para a categoria. Temos os dramas nacionais, com os pilotos de mesma nacionalidade disputando atenção em GPs em casa, como Alonso e Sainz; a saga da Red Bull com a disputa interna entre seus pilotos e que sempre foi marcante na última década, especialmente pela participação de Christian Horner nos bastidores; a luta da Haas, Sauber e da Force India para permanecer na categoria e conseguir pontos, protagonizando as melhores rivalidades caseiras, como a de Sergio Pérez e Esteban Ocon num duelo que foi além do ético; os dramas de equipes como a Williams e McLaren que dominavam os anos 80 e 90 e que agora disputam para ver quem não vai largar na última fila; dramas pessoais, como o de Romain Grosjean lutando contra ele mesmo; e a eterna dança das cadeiras, com pilotos se aposentando, pilotos novos chegando e outros ficando sem equipe.”
Por Ryan Fields em crítica publicada em 7 de março

Sugestões para você: