O Garimpo é um quadro do MetaFictions no qual indicamos toda semana 3 bons títulos disponíveis nas maiores plataformas de streaming. Clique aqui para conferir os anteriores.


Esta semana no Garimpo eu resolvi dar uma vasculhada no catálogo da Netflix, como faço de tempos em tempos, em busca de 3 filmes completamente diferentes entre si, mas que tivessem em comum um inegável nível de excelência em sua execução e que conseguissem entreter ao mesmo tempo que propõem reflexões. Não foi por acaso, portanto, que as 3 obras indicadas esta semana tenham em comum 3 diretores já consagradíssimos e premiados pelo mundo todo.

Sem maiores delongas, vamos a eles. Não esqueçam de deixar a opinião de vocês nos comentários!


13 Assassinos (Jûsan-nin no shikaku), de 2010, dirigido por Takashi Miike

Com mais de 100 filmes dirigidos, Takashi Miike é dos mais prolíficos e cultuados diretores japoneses da atualidade. Seus fãs, ao contrário do que talvez você esteja inferindo de um diretor japonês, não são críticos de cinema esnobes que sabem listar toda a filmografia de Béla Tarr (quem?), mas, sim, pessoas como eu e você que gostam de ver vagabundo entrando na porrada, violência extrema e a eventual putaria. Oriundo de filmes merda feitos direto para o vídeo, Miike aos poucos conquistou notoriedade e orçamentos maiores com sua estética de violência, sendo reverenciado por gente graúda como Quentin Tarantino, que até mesmo fez uma ponta em Sukiyaki Western Django, um faroeste japonês, se é que você pode acreditar nisso, dirigido por Takashi.

Embora em geral Miike aposte em roteiros completamente despirocados como o do western oriental acima, 13 Assassinos é uma de suas obras mais sóbrias no que se refere ao realismo. Remake do filme homônimo de 1963 dirigido por Eichi Kudo, o longa é passado durante a época em que o shogunato estava em declínio, lidando com a falta de rumo (e de honra) que assolava os incontáveis samurais sem mestre que vagavam pelo país. Neste contexto, o Lorde Naritsugu, intocável por ser meio-irmão do Shogun, mata e estupra à vontade em suas terras. Farto disso e vendo que o futuro do país está em jogo por Naritsugu estar na linha de sucessão, um alto oficial do governo contrata o personagem do excelente Kôji Yakusho, ex-vassalo do Shogun, para secretamente para dar cabo de Naritsugu. Ele então arruma mais 12 pessoas e, juntos, partem em uma missão suicida que vai garantir a você 2 horas de muita violência e diversão.

Sugestões para você: