– Imortais (Immortals), de 2011, dirigido por Tarsem Singh

Antes de virar o Super Homem, Henry Cavill era só um cara bonitão da série “The Tudors”, o que, junto com seu abdômen, veio a lhe render o papel de protagonista deste Imortais. Um filme de fantasia violento, deslumbrante, em que todo mundo é lindo e que ainda lida com uma mitologia, a grega, largamente reconhecível por todo o mundo era uma aposta certa de que seria um puta sucesso mundial. Mas não foi bem esse o caso, com Imortais meio que inexplicavelmente mal se pagando, mesmo tendo sido lançado mais ou menos na mesma época que o muito inferior e de temática parecida “Fúria de Titãs”, que bizarramente ganhou uma continuação ainda pior.

De todo modo, o seu fracasso nas bilheterias não afeta em nada as evidentes qualidades deste filme. Contando com um desenho de produção que é das coisas realmente mais espalhafatosamente lindas de se ver da história do Cinema – uma característica das obras do diretor Tarsem Singh – e efeitos especiais estonteantes que só abrilhantam mais toda a belíssima estética do filme, a obra se presta a contar uma versão da história mitológica do herói helênico Teseu (Henry Cavill) e sua luta contra o Rei Hipérion (Mickey Rourke, ótimo) com muita (muita mesmo) ação, aventura e cenas fantásticas.

Apesar de não ser lá o roteiro mais maravilhosamente bem escrito do mundo, a beleza visual deste filme e o grau de entretenimento puro que ele traz mais do que compensam.

Sugestões para você: