Me Chame pelo Seu Nome (Call Me by Your Name), de 2017, dirigido por Luca Guadagnino

Anos 80 na Itália. Um romance improvável começa a se desenvolver entre um garoto de 17 anos e um homem mais velho, contratado para dar assistência em pesquisa ao pai do rapaz. Portanto, uma história de amor gay, passada décadas atrás, teria muito para se tornar um conto triste, cheio de tensão e opressão. Desejos reprimidos da parte de muitos ou de todos. Mas o que se passa nas cenas de Me Chame pelo Seu Nome é uma narrativa sensível, cheia de beleza e que foca tão somente na descoberta e amadurecimento de um relacionamento que não encontra resistências.

Após indicá-lo a um amigo gay, ele retrucou “o filme é lindo, mas impossível”, ao comentar que não há espaço para aspectos negativos nessa história. Mas é exatamente nisso que a obra marcante de Luca Guadagnino se destaca: o mergulho integral em um relacionamento, sem dar tempo para considerações negativas que não envolvam única e exclusivamente os agentes diretos desse romance.

Com atuações memoráveis de Armie Hammer e Timothée Chalamet, esta obra é definitivamente incrível.

Sugestões para você: