Garimpo é um quadro do MetaFictions no qual indicamos toda semana bons títulos disponíveis nas maiores plataformas de streaming. Clique aqui para conferir os anteriores.


Como um lobo em pele de cordeiro / Você tenta esconder os seus pecados mais íntimos / De todas as coisas erradas que você fez / E eu sei a que lugar você pertence“, canta Bruce Dickinson na canção “Caught Somewhere in Time” composta por Steve Harris para o Iron Maiden.

A expressão “lobo em pele de cordeiro” denota algo de ruim, de péssima índole, que está a se esconder, passando uma imagem de pureza e inocência. O predador escondido sob a carcaça de sua presa, fantasiado de algo que não é no intuito de poder, mais facilmente, destroçar aquilo que deseja. Seja uma pessoa, seja um universo específico, muitas são as facetas que aquilo pode tomar para confundir a percepção de outrem, de modo a torná-lo indefeso, enquanto a real identidade vai emergindo e a roupagem fantasiosa desaparecendo.

Quando o véu cai e a verdadeira natureza se revela, todos se dividem em lobos ou cordeiros.


– Confiar (Trust), de 2010, dirigido por David Schwimmer

Um dos temas mais recorrentes do século XXI após a plena imersão de nosso dia-a-dia na internet, a nossa vida virtual em total conexão com a vida real vai fazendo de problemas digitais grandes conflitos materiais. Em Confiar, Annie Cameron (em excelente atuação de Liana Liberato) é uma garota de 14 anos que começa a entrar em salas de bate-papo e fazer novos amigos. Charlie surge nesse universo, dando conselhos e ajudando Annie em algumas questões pessoais triviais. Mas as relações do mundo digital vão se fazendo presentes no emocional e psicológico de quem o acessa. Como se presa a uma “Matriz”, Annie precisa conhecer ao vivo seu novo amigo, por quem nutre cada vez mais um verdadeiro afeto.

No entanto, aos poucos, Charlie vai se revelando mais velho do que dissera. Ainda contando com a confiança da amiga, marcam um encontro, quando ela descobre que ele é realmente bem mais velho. Um adulto maduro, de fato. Mas a armadilha já estava pronta desde que os sentimentos de Annie foram feitos reais. Dessa forma, ela insiste em seguir na jornada de conhecimento do “amigo” disfarçado. Com a vivência de quem já faz isso há tempos, Charlie consegue levá-la para um motel, onde tira sua virgindade, a contragosto, inicialmente.

Sem conseguir mais contato com ele, a menina entra em depressão, à medida em que sua família descobre o ocorrido. Agora, todos tem que viver em meio aos escombros psicológicos e emocionais ocasionados por um predador que esteve sempre coberto por um véu de pureza.

Sugestões para você: