Na tenra idade dos 9 anos, um quarto de século atrás, meu pai me inscreveu na escolinha de futebol de um clube no bucólico bairro carioca da Ilha do Governador. Logo na primeira aula, eu me tornei amigo de um moleque que carregava no rosto um sorriso malicioso, de quem vinha experimentando já há algum tempo com os rudimentos da até então proibida arte da punheta. Este era meu amigo e irmão Renê Vettori. Depois daquilo, nós estudamos juntos por alguns anos e nunca deixamos de ser amigos, unidos sempre pela arte, primeiramente pela música (chegamos até mesmo a ter uma banda juntos) e depois pelo cinema.

Há quinze anos, Renê Vettori e Ryan Fields se conheceriam no cursinho pré vestibular e iniciariam aquele que é o maior e mais g0y bromance que eu já vi. Alguns anos depois, eu conheci Ryan em um show do Iron Maiden na Apoteose aqui no Rio de Janeiro, ao qual ele foi fazendo cosplay de Jesus Cristo, comprovado pela foto abaixo.

Renê, Gustavo e JC

Passados alguns anos deste show, eu havia terminado um namoro e estava naquela merda de dar gosto que todos nós sabemos qual é. Tão na merda que deixei Renê me manipular para que eu pensasse que teria alguma chance com a formosura que é a irmã do Ryan. Esse interesse totalmente libidinoso e galudo me fez ter uma aproximação com Ryan e, muito embora eu tenha tomado um toco vergonhosíssimo de sua irmã (beijão, Renata!), ganhei um grande amigo. Em comum, além da música e do cinema, tínhamos também a nossa paixão por videogames.

Renê e Ryan eventualmente iniciaram o Metafictions, publicando resenhas de filmes, séries e alguns curta metragens. Eu ajudava como podia nos curtas e com o tempo passei também a contribuir com algumas resenhas para o site. Alguns amigos também os ajudaram e continuam conosco até hoje.

Finalmente, nós concluímos que a nossa paixão pelo cinema era grande demais para ser relegada a um site que alimentávamos muito esporadicamente. Resolvemos que era hora de gritar mais alto esse amor e convidamos alguns amigos para entrar no coro conosco. E é assim que nasce o novo Metafictions.com.

Um veículo sem o menor compromisso com absolutamente porra nenhuma que não com o nosso amor pelo Cinema, pelas histórias e pelas narrativas que nos permitem devorá-las. À exceção do Renê, que é cineasta e tem cursos e mais cursos na área, nenhum de nós aqui é qualquer coisa que não um apaixonado. E é essa paixão que queremos que gritem cada palavra e cada frame que publicarmos aqui.

Vamos apresentar, toda quinta-feira, críticas das principais estreias da semana e, ao longo da próxima semana, começaremos a publicar quadros diários com indicações de filmes e artigos sobre os filmes que amamos (ou odiamos).  Além disso, vamos deixar no ar as críticas publicadas no site antigo, em homenagem àquela época de várzea, da resenha bailarina e não editada.

Para as críticas semanais, nós desenvolvemos um sistema de notas de 0 a 5 claquetes. Eventualmente, caso Coppola queira fazer um novo Poderoso Chefão ou Kurosawa ressuscite, vamos atribuir uma sexta claquete para aquelas produções que são reais obras prima do Cinema.

Nada disso, contudo, estaria acontecendo se não fosse a nossa vontade de produzir e de criar uma plataforma na qual possamos apresentar essas produções. Em breve vamos publicar o trailer do primeiro curta oficial lançado pelo Metafictions!

“Departure”, escrito por Renê e Ryan, dirigido por Renê e estrelado pela belíssima esposa de Renê, teve sua estréia no festival Made in New York Filmmaker Showcase no ano passado e em breve publicaremos aqui, bem como informações sobre as muitas produções que já temos filmadas, filmando ou escritas.

Ryan e a nossa estrela e esposa do Renê, Leilane Vettori, em uma cena de Departure filmada no Galeão. Ryan já havia largado o cosplay de Jesus Cristo, interpretando aqui um hipster.

É isso. E que o amor transborde.

Sugestões para você: