Primeira coisa que você fará é dar play nesse vídeo e deixar seu brioco contrair levemente conforme o trailer vai acabando.

Esse, senhores cinéfilos, é Firewatch. Um primor desenvolvido pela Campo Santo na sua primeira incursão (de muitas, espero eu) no mundo dos games. Indicado para o Video Game Awards de 2016, uma espécie de Oscar da indústria, nas categorias melhor narrativa, melhor performance duas vezes e melhor jogo independente.

O game conta a história de Henry (Rich Sommer), que aceita um emprego como vigia de incêndio nas florestas de Wyoming (EUA), em 1989. No entanto, sua história começa em 1975 quando Henry conhece Julia, sua esposa. Passamos os primeiros minutos definindo nosso passado através de escolhas, que começam de forma tranquila e divertida, começando com flertes e o amor por Julia, transitando por escolhas difíceis, que causam grande angústia e que justificam o isolamento escolhido por Henry ao aceitar o trabalho. Paralelo às escolhas, temos cenas nas quais estamos andando por trilhas dentro da floresta rumo à nossa torre de vigilância. A introdução culmina com a última escolha desses 14 anos e a passagem dele porta adentro da torre… Campo Santo brincando de ser Tarkovsky.

Atenção aos detalhes… nosso lar.

Tudo o que ele (e você!) tem de contato com o mundo é sua superior, Delilah (Cissy Jones), que está em uma torre vizinha a quilômetros de distância, através de seu walkie talkie amarelo. A partir de nossa relação com ela que o jogo se desenvolve. Tenha em mente que é um jogo de escolhas. Sempre que Henry pega o rádio, temos opções que podem levar nossa relação com Delilah para caminhos distintos. Cada comentário possui seu peso e, em muitos casos, falar nada também quer dizer muito.

Firewatch começa te pegando pela mão e explicando onde e como você deve fazer seu trabalho. Após a introdução do básico, começamos a lentamente perder a ilusão que temos o controle sobre o nosso destino. Eventos naturais e outros não tão naturais assim começam a acontecer, mudando o tom do jogo, como em um belo roteiro de um bom filme. As caminhadas pelas trilhas e florestas deixam de ser contemplativas e passam a ser paranóicas…

E se você olha por muito tempo a floresta, a floresta também olha para você.

Sou obrigado a mencionar as belas performances de Rich Sommer e Cissy Jones, merecedores da indicação ao VGA 2016. Você perceberá que no mundo dos games existe uma entidade que é uma espécie de fusão de Samuel L. Jackson com Daniel Day-Lewis, ou seja, está em todos os grandes lançamentos e vence todas as premiações. Esta entidade recebeu o nome de Troy Baker. Logo, ser indicado é quase como vencer. As atuações de ambos carregam toda a narrativa do jogo e te deixam preso no desenvolvimento da relação dos dois (reveja o trailer). Veremos o rumo que você levará essa relação.

Não há como negar a beleza da direção de arte nesse que é sem dúvida um dos jogos mais belos dos últimos anos. Considerando que é um jogo independente, as escolhas gráficas se faziam muito mais pelo conceito da estética do que pelo poder de processamento de seu videogame ou PC. Tons vibrantes, luzes realistas buscando caminho pelas copas das árvores e partículas voando a sua frente… você irá parar para contemplar a paisagem inúmeras vezes. Talvez até tire algumas fotos. Sim! Henry acha uma câmera Kodak que lhe permite fotografar (com a limitação das 24 poses do filme, estamos na década de 80, afinal) qualquer coisa a qualquer momento. Caso você queira essas fotos reveladas na sua mão de verdade, basta seguir o tutorial que aparece ao final do jogo e ter 15 dólares sobrando.

Calma… Jason não saíra das águas.

O game possui a perspectiva em 1ª pessoa, logo você verá apenas os braços e pernas de Henry, o que ajuda muito na imersão do personagem. O nível de dificuldade é baixo, bastando seu sentido de direção estar em dia. Em média o jogo leva 4h para ser concluído, alguns perdidos levarão 5h. Eu, no entanto, levei 6h30min. Calma… não sou uma pessoa sem sentido de direção, muito pelo contrário. Sou um geógrafo competente, mas justamente por isso eu demorei mais. Queria visitar cada parte do parque florestal que percebi, olhando o mapa, que não havia ido. E que primor é o mapa e o sistema de navegação do game. Você estará munido de um mapa, que sempre será atualizado pelo personagem com anotações e desenhos com informações que serão descobertas, e uma bússola. Um verdadeiro homem dos anos 80. GPS?! Pra quê?!

Mapa do Harry Potter, pois ele mostra por onde você está andando.

Firewatch é uma grande experiência cinematográfica e vale a pena ser conferido, de preferência, em uma única sessão de jogatina. Um dos melhores games de 2016 e, caso fosse de fato um filme (que foi anunciado!), seria uma película maravilhosa de suspense e drama.

Disponível para PC na Steam e GOG por 36,99

Disponível para Playstation por 61,50

Disponível para Xbox One por 39,00

Sugestões para você: