– Melhor Roteiro Adaptado: James Ivory por Me Chame pelo Seu Nome (Call Me By Your Name)

Adaptar um roteiro é tarefa das mais inglórias. O roteirista se embrenha por caminhos espinhosos: trasladar uma linguagem totalmente trabalhada na expressão das palavras em imagem cinematográfica, traduzir o que antes era verbo em ação, trair o original sem abandonar sua essência e, ainda assim, criar uma obra sua. Para, no final, ter que ouvir o coro de “O livro é muito melhor”. Roteiros adaptados são veredas tortuosas. Tortuosas são também as veredas da paixão. E o nosso vencedor na categoria roteiro adaptado é muito mais que um roteiro: é uma obra-prima do cinema em estado de paixão. Me Chame pelo Seu Nome, romance de André Aciman, nas mãos do magnífico James Ivory se transformou em um dos momentos mais marcantes da cinematografia contemporânea. Aos 89 anos, Ivory nos lembrou que, mais que técnica, efeitos e pirotecnias, o cinema é feito de boas histórias, personagens com os quais o público se importe, talento e sentimento. Nada sobra, nada falta naquele texto. “Quando menos esperamos, a Natureza tem maneiras inesperadas de localizar nosso ponto mais fraco”, diz o pai do jovem Elio, no momento mais memorável do filme. O Cinema também consegue localizar o nosso ponto mais fraco e encher esse momento de beleza e descoberta. Foi só isso que James Ivory atingiu no mais que belo Me Chame pelo Seu Nome.
Por Marco Medeiros.

1o – James Ivory (Me Chame pelo seu Nome) – 6 votos
2o – Stephen Chbosky e Steve Conrad (Extraordinário), Virgil Williams e Dee Rees (Mudbound) e Scott Frank, James Mangold e Michael Green (Logan) – 1 voto


– Melhor Roteiro Original: Jordan Peele por Corra! (Get Out)


É aqui que nasce um filme. Aquele derradeiro instante em que uma história, que só existe na cabeça de seu autor, vem ao mundo e vira o embrião daquilo que nós cultuamos é o que determinará a essência do produto final que chegará aos cinemas. Para essa temporada de filmes, o MetaFictions premia Jordan Peele pelo seu extraordinário trabalho no roteiro original de Corra!. Sua realização está na forma subversiva que a questão do racismo na classe média alta liberal norte americana se manifesta. Jogando constantemente com nosso senso comum, Peele cria grande desconforto com diálogos cuidadosamente orquestrados, gerando uma desconfiança, tanto em Chris (Daniel Kaluuya) quanto na audiência, de que “algo errado não está certo”. Até a última cena o roteiro nos prende e seus plot twist são pertinentes e naturais, não causando aquela levantada de sobrancelha de quando alguém quer nos vender algo e não nos convence. O roteiro original de Corra! convence e convence MUITO.
Por Ryan Fields.

1o – Jordan Peele (Corra!) – 3 votos
2o – Darren Aronofsky (Mãe!) e Greta Gerwig (Lady Bird) – 2 votos
3o – Guillermo del Toro e Vanessa Taylor (A Forma da Água) e Trey Edward Shults (Ao Cair da Noite) – 1 voto

Sugestões para você: