Melhor Atriz Coadjuvante – Laura Dern em História de um Casamento. Texto por Larissa Moreno.

Não bastasse o grande trabalho de Laura Dern em Big Little Lies, entre 2017 e 2019, ela nos enlaça mais uma vez com a brilhante atuação em História de um Casamento como Nora Fanshaw. Inspirada pela advogada de divórcio de famosos, Laura Wasser, que tem em seu currículo nomes como Angelina Jolie e Brad Pitt, a personagem de Dern é uma mulher de pulso firme e se mostra um divisor de águas para a história, na medida que traz mais confiança e estabilidade (inclusive emocional) pra vida de Nicole (Scarlett Johansson). Seu clímax no longa acontece, indiscutivelmente, na cena em que conhece Nicole e é presenteada pelo roteiro com falas empoderadoras que questionam a maternidade e o papel da mulher enquanto esposa com a vinda dela. Apesar de ter pouco tempo de cena no filme como um todo, Laura Dern deixa marcas por onde passa com uma performance elegante, como de costume, poderosa e marcante.


Melhor Ator Coadjuvante – Brad Pitt em Era Uma Vez Em…Hollywood. Texto por Gabriel Eskenazi.

Era Uma Vez em… Hollywood tem um comentário belíssimo sobre amizade, lealdade e companheirismo. São duas figuras unidas pela natureza do trabalho, o ator e seu dublê. Para acreditar na forte amizade entre o ator Rick Dalton e o dublê Cliff Booth, seria preciso de uma atuação estupenda que usasse o roteiro magnífico de Tarantino como uma ferramenta para compor o personagem que Brad Pitt interpreta. E, se o cara não foi uma das melhores performances do ano, eu não sei mais o que eu sou como pessoa. Para mostrar a tamanha associação diretor-ator, deixe-me compartilhar uma história da boca do próprio Tarantino que queria mostrar um determinado filme para Brad Pitt, pois nesse filme havia um personagem que seria uma excelente referência. O diretor convida Brad para sua casa para mostrar o filme e eis que o ator traz uma cópia do mesmo filme, com as mesmas intenções. Essa história me mostra que Brad Pitt é um ator tão competente que entendeu exatamente seu papel no roteiro de Tarantino. Existe sensação mais satisfatória do que ver Brad Pitt atuando com Leonardo DiCaprio em uma dinâmica tão real de companheirismo, lealdade e amizade? Para mim, ele merece esse Oscar de ator coadjuvante porque nem sempre uma boa atuação significa gritos e choros, às vezes as melhores atuações estão em um dos aspectos mais humanos: a amizade. E cá entre nós, já estava na hora de ele ganhar um prêmio, não é?

Sugestões para você: