Quando paramos para falar de Cinema devemos ter em mente o que consideramos desta mídia: Arte, indústria, aparelho ideológico? Qual é o uso do Cinema? Para que serve? É evidente que, por vezes, um conceito representa a anulação do outro. Há, porém, alguns diretores que conseguem associá-los com invejável habilidade. O público, no entanto, se divide: cinema-indústria é a corrupção do cinema-arte. Um não pode compreender o outro; um não está contido ou contém o outro. Acho a fala um tanto quanto extremista. Martin Scorsese, Darren Aronofsky (os dois primeiros colocados de nosso Top 10 – Melhores Diretores em Atividade) e Stanley Kubrick são exemplos breves de grandes artistas que conseguem movimentar a indústria. Porém, nosso objeto de hoje é um tanto quanto controverso no que tange esta assertiva.

Spielberg e seus dois Oscars de melhor diretor e filme por A Lista de Schindler.

Steven Spielberg é, talvez, o grande exemplo do cinema-indústria, aquele que vislumbrou em tantos projetos (dirigidos ou produzidos por ele) possibilidades de retorno financeiro imediato e grandioso. “Tubarão” (2o colocado em nosso Top 10 – Filmes de Monstro) pode ser considerado um divisor de águas em relação a isso. Um filme que custou, à época, 8 milhões de dólares e rendeu, mundo afora, quase meio BILHÃO! Só na semana de estréia, e apenas nos EUA, a produção já havia quase sido paga.

E essa não é uma estatística isolada. O diretor carrega números fantásticos em relação à renda feito pelos seus filmes. Porém, mais do que isso, ele também guarda em seu currículo alguns dos títulos mais icônicos da História do Cinema. Sem demorar muito para pensar, temos o supracitado que impulsionou e até hoje impulsiona tantas outras produções que falam do grande vilão dos mares; temos grandes obras sobre alienígenas, como “Contatos Imediatos do Terceiro Grau” e “E.T. – O Extraterrestre (5o e 4o respectivamente em nosso Top 10 – Filmes de Aliens); super aventuras com o inesquecível personagem Indiana Jones; filmes de guerra, dentre os quais, o que carrega fabulosa cena de abertura, “O Resgate do Soldado Ryan“.

Era pra tu ter se aposentado, Indy!

Tudo isso é ilustração do quão bem-sucedido, em termos de público, e quão versátil é o diretor em questão. Na figura de produtor, ele mantém a pegada, gerindo outros tantos nomes igualmente icônicos, como “De Volta para o Futuro” e o fabuloso “Os Goonies“. Sem querer deixar de fora histórias como “Gremlins” ou “Poltergeist: O Fenômeno“, poderia ficar páginas e páginas relembrando o quão marcante foram os filmes que envolvem o nome desse monstro da indústria hollywoodiana. Mas isso poderia “estragar” a ideia da presente publicação.

Na semana de estréia de “Jogador Nº 1, novo filme desse nosso protagonista, resolvemos produzir um Top 10 exclusivamente dos filmes dirigidos por ele. A regra foi a mesma para todas as listas MetaFictions, isto é, a partir da seleção pessoal de cada colaborador é confeccionada a lista principal do site. Para este momento, todos participaram, com exceção dos nossos gloriosíssimos Gabriel Eskenazi e Thotti Cardoso.

Foto da redação do MetaFictions recriada por Spielberg em Contatos Imediatos do Terceiro Grau.

Foram citados um total de 24 obras. Somente uma delas, figurando na 2a posição, foi votado por todos. Todos os 3 filmes de Indiana Jones (sim, só tem 3!) foram mencionados e um dos grandes clássicos de Spielberg, o já mencionado Contatos Imediatos de Terceiro Grau foi citado por 5 dos 8 votantes, mas não pontuou bem o suficiente para entrar na lista final apesar de ter sido citado mais vezes (mas em piores posições) do que 4 dos filmes que entraram.

Dessa forma, apresentamos para vocês o Top 10 – Melhores Filmes Dirigidos por Steven Spielberg.

Sugestões para você: